Notícias: Informações sobre o acidente do Avro rj85 cityjet da Lamia

Esta semana o povo brasileiro acorda com uma notícia triste após o desaparecimento do avião da empresa LaMia que transportava a equipe da Chapecoense e jornalistas brasileiros. O fato comoveu não só o Brasil mas o mundo inteiro, vamos fazer uma radiografia completa do que aconteceu para que você entenda o que aconteceu e o que vai acontecer, as informações á seguir são de outros sites que pesquisamos e compilamos aqui para melhor compreensão, então leia com atenção:

-Sobre a aeronave:

A série Avro RJ é desenvolvimentos atualizados da família BAe-146 (ver entrada separada), e como o 146 foi construído em três variantes de comprimento da fuselagem, o RJ70, RJ85 e RJ100. Em 1990 British Aerospace primeiro ofereceu o RJ70 melhorado e RJ80, ambos baseados no 146-100. Eles teriam assentado 70 e 80 passageiros, respectivamente, mas esses dois projetos amadureceram no Avro RJ70 (oficialmente Avro 146-RJ70) com motores LF-507 FADEC equipados e aviônicos digitais. O Avro RJ85 com 146-200 anos foi o primeiro membro da nova família a voar, em 23 de março de 1992. O maior membro da família, o RJ100 com base em 146-300, voou pela primeira vez em 13 de maio de 1992. O RJ70 com base em 146-100 Foi entregue a partir do final de 1993, mas devido ao baixo interesse dos clientes, apenas 12 foram vendidos. RJ melhorias sobre os 146 incluem mais confiável e eficiente FADEC equipados AlliedSignal (agora Honeywell) LF-507 motores, novo “Spaceliner” interior da cabine e um flightdeck digital. Peso e arrastar poupança foram introduzidas em 1996. O RJ100 também foi oferecido como o RJ115 com saídas de emergência extra para assento de 116 a 128 em uma alta densidade de seis em frente configuração. Nenhum foi construído no entanto. O RJ também foi oferecido como o Avro Business Jet, mas também nenhum deles foi construído. A série RJ foi originalmente fabricada e comercializada pela Avro International Aerospace, uma empresa separada britânica Aerospace, assim chamado como RJ produção foi realizada na antiga fábrica Avro perto de Manchester (a maioria 146s foram construídos em Hatfield). Os planos subseqüentes para uma parceria com a Taiwan Aerospace, que teria visto a série RJ construída em Taiwan caiu e Avro posteriormente tornou-se parte da AI (R) para lidar com marketing, vendas e apoio da British Aerospace (Avro e Jetstream) e aeronaves comerciais ATR . No entanto, AI (R) dissolvido em meados de 1998 ea Avro RJ tornou-se novamente um produto British Aerospace (mais tarde BAE Systems). O último RJ foi entregue em 2002. Um desenvolvimento modernizado tornou-se o Avro RJX, para o qual ver a entrada separada.

0455269-v40-10 0462513-v40-10 0758907-v40-10

-Sobre a empresa LaMia:

Lamia, abreviação de Línea Aérea Mérida Internacional de Aviación, é um boliviano companhia charter com sede em Santa Cruz de la Sierra .

História:

A companhia aérea foi fundada em Venezuela em 2009 pelo empresário espanhol Ricardo Albacete .  Ele teve a entrega de um ATR 72 212A molhada arrendado da Swiftair e destina-se para iniciar o serviço de Mérida, Venezuela , sua base original.  No entanto, a empresa não conseguiu assegurar o seu próprio certificado de operador aéreo e dobrou em outubro de 2010 depois de apenas operando desde agosto. Depois de suas autorizações expiraram, Lamia tentou um relançamento em 2011, tendo um único Avro RJ-85 e concentrando-se nos voos domésticos, embora nenhum operado a partir de Mérida.  Tendo tido seus esforços em Mérida frustrado por duas vezes, a companhia mudou-se para o estado de Nueva Esparta : a companhia mudou o M em seu nome para significar Margarita e planejado para relançar no início de 2014 operando a partir de Porlamar . Em novembro 2013 voo de demonstração destaque governador do estado, Carlos Mata Figueroa , e Albacete fez um discurso elogiando presidente venezuelano Nicolás Maduro ; Esta encarnação também caiu em meio à piora da crise econômica do país.

Com seus repetidos fracassos em dois estados da Venezuela,  os proprietários da Venezuela optou por alugar os três RJ-85s que tinham para empresários bolivianos, que adotou o nome pintado na aeronave: Lamia.   Em novembro de 2015, Lamia Bolívia-a juridicamente distintas empresa-criação de escritórios em uma casa em Santa Cruz de la Sierra ,  e recebeu a permissão de sua autoridade nacional de aviação civil para começar a oferecer vôos charter domésticos lá; Tais operações começaram em janeiro de 2016 sob o certificado operacional “indefinido” da nova empresa. Sua frota inclui três RJ-85 aeronaves com capacidade para 95 passageiros.  Na época, coordenador de operações Mario Pacheco disse que a extração de recursos e de mineração empresas, agências de viagens e equipes de futebol estavam entre os seus clientes-alvo.  De fato, equipes de futebol estavam entre os clientes mais fiéis, e a companhia aérea tinha voado na Argentina , Bolívia e Venezuela equipes nacionais, bem como o colombiano Atlético Nacional , o paraguaio Club Olimpia e os lados locais Oriente Petrolero , The Strongest e Clube Blooming .  Além disso, o Ministério de Minas e Metalurgia da Bolívia era um cliente da companhia aérea.

LaMia está sediada na cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra.   É propriedade de Gustavo Vargas Gamboa; Seu outro proprietário, Miguel Alejandro Quiroga Murakami, morreu no acidente do vôo 2933.  Em 30 de novembro de 2016, a companhia tem oito funcionários. 

Albacete, dono da companhia aérea venezuelana proprietária da frota da companhia aérea boliviana, disse à imprensa espanhola que, apesar de ter sido emocionalmente afetado pelo desastre, não estava envolvido nas operações da companhia aérea boliviana. 

A empresa possui 2 modelos Avro RJ85, um deles acidentado esta semana.

Imagens:

avro_rj_85_venezuela

-Sobre o acidente:

Voo 2933 da LaMia foi um voo charter com matrícula CP 2933 a serviço da Associação Chapecoense de Futebol, proveniente de Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, com destino ao Aeroporto Internacional José María Córdova em Rionegro, Colômbia, que caiu próximo ao local chamado Cerro El Gordo (Monte O Gordo, em livre tradução) na Colômbia às 22:15 h (hora local) de 28 de novembro de 2016 (1:15 h, do dia 29 de novembro, no horário de Brasília).[

A aeronave caiu após o piloto reportar uma pane elétrica e trazia 77 pessoas a bordo, tendo por passageiros, atletas, equipe técnica e diretoria do time brasileiro da Chapecoense, que iriam a Medellín, onde o clube disputaria a primeira partida da Final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional. Também estavam no avião, jornalistas que cobririam a partida. Entre passageiros e tripulantes, 71 pessoas morreram na queda do avião e seis sobreviveram. Uma comissária de bordo sobrevivente do acidente declarou que pouco antes da queda, as luzes da aeronave começaram a se apagar.

Dos 71 mortos, 21 eram jornalistas brasileiros (incluindo o assessor de imprensa da Chapecoense), oito da diretoria (incluindo o presidente do clube e um convidado), dezesseis da equipe técnica (incluindo o médico da equipe), dezenove atletas e sete tripulantes. Quatro passageiros e dois tripulantes sobreviveram. Pelo total de vítimas, esta tragédia torna-se a maior da história com uma delegação esportiva, e a maior do jornalismo brasileiro.

1-1480408481_086304_1480433131_album_normal 2-1480408481_086304_1480432838_album_normal

O time brasileiro da Associação Chapecoense de Futebol estava viajando para o jogo de ida da final da Copa Sul-Americana de 2016 contra o Atlético Nacional em Medellín, na Colômbia. A equipe teve um voo direto para Medellín vetado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), e então serviu-se da escala na Bolívia, para onde viajou em voo comercial partindo de São Paulo às 15:15 h (horário de Brasília), chegando a Santa Cruz de La Sierra à meia-noite (horário de Brasília). Daí partiu na madrugada em outro voo.[10] Integraria a comitiva do time o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon, que não embarcou junto com a comitiva; dois responsáveis pela logística do clube já se achavam na Colômbia, aguardando a chegada do voo.

Às 22h, hora local, a aeronave declarou uma emergência elétrica quando voava entre os municípios de La Ceja e La Unión. O avião mais tarde caiu em Cerro Gordo, localizado em La Unión. Helicópteros foram inicialmente incapazes de chegar ao local devido à névoa densa na região.  Entre passageiros e tripulantes, 71 pessoas morreram por conta da queda do avião e seis sobreviveram.

A princípio havia sido divulgado que havia 81 pessoas a bordo, contudo verificou-se que na contagem anterior estavam incluídos quatro passageiros que deixaram de viajar na última hora.

aviao-da-lamia-personalizado-com-simbolo-da-chapecoense-1480404081491_615x300

A rota foi operada por um Avro RJ85, registro CP-2933.  Antes da LaMia, a aeronave já havia servido as operadoras aéreas Mesaba Airlines (EUA) e CityJet (Irlanda).

As causas:

Em comunicado oficial, o Aeroporto Internacional José María Córdova informou: “O Comitê de Operações de Emergência e a gerência do Aeroporto José Maria Córdova informa que às 22h uma aeronave […] se declarou em estado de emergência, entre os municípios de La Ceija e La Unión. A aeronave reportou pane elétrica, segundo informado à torre de controle de Aeronáutica Civil“. Num primeiro momento foi divulgado que a causa seria “falta de combustível“.

Passadas algumas horas do acidente, e com as informações então disponíveis, especialistas analisaram vários fatores que poderiam tê-lo causado; se num primeiro momento foi dito da falta de combustível, uma informação contraditória se seguiu, dizendo que o piloto havia se livrado deste antes de tentar um pouso forçado; outro dado que chamou a atenção dos analistas é que, para o fabricante da aeronave, esta tem autonomia de voo de 2965 km (a velocidade de cruzeiro de 720 km/h), e a distância a ser percorrida foi de 2.975, o que fez voltar a hipótese da falta de combustível; em razão disto o presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas do Brasil, Rodrigo Spader, afirmou que o ideal seria ter havido uma escala para reabastecimento, neste caso.  Spader considera ainda situações como um vento contrário durante o trajeto, que forçaria ao crescimento do consumo do combustível; tanto ele como o professor de aeronáutica Cláudio Scherer concordam que não pode ter havido o “alijamento” (derrame proposital do combustível) que só é feito em aviões de maior porte a fim de aliviar o peso para um pouso estável.  Também foi relevante a revelação feita de que a torre de controle do aeroporto dera prioridade de pouso a outra aeronave, antes do LaMia.   Um último fator a ser apreciado nas investigações é o estado dos pilotos, segundo Spader, pois o cansaço está na causa direta de 20% dos acidentes registrados. As caixas-preta foram encontradas, na tarde do dia 29, em perfeito estado.

Os atletas convocados
1. Danilo
2. Gimenez
3. Bruno Rangel
4. Marcelo
5. Lucas Gomes
6. Sergio Manoel
7. Felipe Machado
8. Matheus Biteco
9. Cleber Santana
10. Alan Ruschel
11. William Thiego
12. Tiaguinho
13. Neto
14. Josimar
15. Dener
16. Gil
17. Ananias
18. Kempes
19. Follmann
20. Arthur Maia
21. Mateus Caramelo
22. Aílton CanelaDemais convocados e comissão técnica
22. Caio Júnior (Técnico)
23. Duca
24. Pipe Grohs
25. Anderson Paixão
26. Anderson Martins
27. Dr. Marcio
28. Gobbato
29. Cocada
30. Serginho
31. Serginho
32. Adriano
33. Cleberson Silva
34. Maurinho
35. Cadu
36. Chinho di Domenico
37. Sandro Pallaoro
38. Cezinha
39. Giba

Diretoria
40. Plínio D. de Nes Filho
41. Nilson Folle Júnior
42. Decio Burtet Filho
43. Edir de Marco
44. Ricardo Porto
45. Mauro dal Bello
46. Jandir Bordignon
47. Dávi Barela Dávi

Convidados
48. Delfim Peixoto Filho
49. Luciano Buligon
50. Gelson Meisão

Imprensa
51. Victorino Chermont (Fox Sports)
52. Rodrigo Gonçalves
53. Devair Paschoalon
54. Lilacio Júnior
55. Paulo Clement (Fox Sports)
56. Mario Sergio P Paiva (Fox Sports e ex-jogador)
57. Guilher Marques
58. Ari Júnior
59. Guilherme Laars
60. Giovane Klein
61. Bruno Silva
62. Djalma Neto
63. Adré Podiacki
64. Laion Espindula
65. Rafael Henzel
66. Renan Agnolin
67. Fernando Schardong
68. Edson Ebeliny
69. Gelson Galiotto
70. Douglas Dorneles
71. Jacir Biavatti

Mais uma pessoa não foi informada.
Nós que cobrimos aviação ficamos muito tristes pelo acidente e fica aqui nossa homenagem á todos os familiares da Chapecoense, jornalistas e tripulantes. Estamos acompanhando o caso e maiores informações aqui no nosso blog.

chapecoense-1024x673

Fontes:

1)Sobre a aeronave: www.airliners.net/aircraft-data/british-aerospace-avro-rj7085100/47
2)Sobre a empresa:  pt.wikipedia.org/wiki/LaMia
3)Sobre o acidente: pt.wikipedia.org/wiki/Voo_LaMia_2933

Fotos:
1) JUAN ANTONIO S. EFE
2) FREDY BUILES REUTERS
3) SITE UBAITABA: ubaitaba.com/acidente-aviao-da-chapecoense-76-mortos-buscas-sao-suspensas/
4) WIKIPEDIA

Nota de Rodapé: Não costumamos tirar informações da Wikipédia mas foi a única fonte inicial com todas as informações condensadas sobre o acidente, nossa intenção é trazer o relato para que você internauta entenda o que aconteceu.

 

Publicado em dezembro 1, 2016, em Notícias e marcado como , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: